MENU

 Revisão >> Revisão das principais matérias do Vestibular
Revisão de Física
 
1ª Lei da Termodinânica

 

1ª Lei da Termodinânica

Calor

Vimos que quando dois corpos com mesma massa, mas com diferentes temperaturas entram em contato, a temperatura final é intermediária entre as duas temperaturas. Podemos descrever este resultado algebricamente dizendo que, ao entrar em equilíbrio, a mudança de temperatura, DT, dos objetos são iguais e opostas: 
DTg = -DTp
Por exemplo, quando diferentes massas de água são misturadas, a temperatura varia inversamente com as massas: DTg/DTp = -(mp)/(mg)
Ou seja, a massa menor muda mais de temperatura, de modo que os produtos  mDT permanece com a mesma magnitude:

mpDTp = -mgDTg             

Como as quantidades numéricas nessa equação são fixas e reprodutíveis em qualquer situação, é tentador imaginá-las como medindo algo trocado entre as duas massas de água: algo perdido em um, e ganho em outro. 
Este foi como se chegou a utilização de expressões como "troca de quantidades de calor", e o produto  mDT é utilizado como uma medida de tal quantidade quando diferentes amostras da mesma substância são misturadas, ou trazidas em contato entre si a diferentes temperaturas.
A técnica experimental de observar mudanças de temperatura quando se mistura ou se põe em contato sistemas isolados termicamente, é freqüentemente chamado de método das misturas. Um recipiente em que este tipo de experiência é realizado se chama de calorímetro e o processo é chamado de calorimetria. A energia que entra em um sistema em forma de calor deve ser também uma característica própria do material que o compõe. 
Logo, podemos definir a energia em forma de calor necessária para variar a temperatura de um sistema por

        Q = cmDT    

onde c, a constante de proporcionalidade, depende do material que compõe o sistema. Esta constante é chamada de calor específico. As unidades de calor são unidades de energia. Exemplos são o Joule, J, a caloria, cal, a kilocaloria, Cal, e o Btu (British Thermal Units).  Historicamente, a caloria foi definida como a energia necessária para aquecer 1g de água de 14,5 para 15,5 oC. O Btu foi definido como  a energia necessária para aquecer 1lb de água de 63 para 64 oF. 
A caloria é freqüentemente utilizada em sistemas químicos e biológicos. 
O Btu ainda é usado em sistemas de aquecimento e resfriamento, por exemplo o ar condicionado.O Joule é a unidade de energia do sistema MKS. Na tabela abaixo mostramos a equivalência entre as unidades.

1J

0,2389 cal

9,481 x 10-4 Btu

1 Btu

1,055 x 103 J

252,0 cal

1 cal

3,969 x 10-3 Btu

4,186 J

1 Cal

103 cal 

4.186 J

O calor específico é dado em unidades de energia/massa/grau e depende do sistema de unidades utilizado para cada uma dessas  grandezas.

Também podemos definir o calor específico por mol de substância, ou calor específico molar, C. Lembramos que 1 mol é a quantidade de massa de substância equivalente ao seu número de massa atômico, ou molecular, expresso em gramas. Em um mol existem

           1 mol = 6,02 x 1023 átomos, ou moléculas
                                                 (número de Avogadro)

Substância

Calor Específico (cal/g.K)

Calor específico (J/kg.K)

chumbo

0,0305

128

vidro

0,20

840

álcool etílico

0,58

2.430

água

1,00

4,190

alumínio

0,215

900

Existem situações em que energia é transferida para uma dada substância, mas a sua temperatura não varia. A definição [5.3] não se aplica, pois Q > 0, mas DT  é nulo. Isto ocorre quando uma substância sofre uma transição de fase, como por exemplo a água em ebulição. Enquanto a evaporação durar, a água não se aquece. Neste caso, a energia transferida para a água é utilizada para transformar a água do estado líquido para o estado gasoso. 
Microscopicamente, uma molécula de água necessita de energia para se livrar das outras moléculas que a cercam (este é o processo de evaporação). Assim, a energia transferida para a água é usada na liberação das moléculas de água do meio líquido.   O mesmo acontece quando a água passa do estado sólido (gelo) para o estado líquido, e também se aplica a outras substâncias. O calor necessário para esta transição de fase depende da quantidade de massa envolvida, e é chamado de calor latente:

Q = L m    

onde L é chamado de calor de fusão, LF, ou de evaporação, LV. Para  a água

LV = 539 cal/g =40,7 kJ/mol = 2.260 kJ/kg
LF = 79,5 cal/g =6,01 kJ/mol = 333 kJ/kg

Equação de estado
Pressão, temperatura, volume e número de partículas são tudo que precisamos para especificarmos completamente um sistema. 
A relação entre essas variáveis pode ser expressa em termos de uma equação conhecida como equação de estado. Para um gás ideal, a equação de estado é

pV = nRT 

onde p é a pressão, V o volume, n o número de moléculas, e T a temperatura do gás. A constante R possui valor  8.314 J/mol.K. 
Esta equação pode ser usada para resolver problemas com gases ideais quando existe uma quantidade desconhecida. A equação de estado para um gás de  Van der Waals é um pouco mais complicada, já que esse modelo leva em consideração as interações devidas ao tamanho finito e as interações das moléculas do gás. a equação de Van der Waals é

[p + a(n/V)2] (V/n - b) = RT

onde a equação foi escrita de forma a se reduzir a equação dos gases ideais quando a e b vão a zero. O termo a(n/V)2 é um efeito da força intermolecular (devido aos momentos de dipolo elétricos induzidos, que levam a uma pequena força de atração entre as moléculas. 
A pressão do gás deve aumentar devido a essas forças. Ela deve crescer com a densidade (n/V) de moléculas. Encontra-se um crescimento na forma quadrática com a densidade quando o efeito é levado em consideração microscopicamente. Como as moléculas possuem um tamanho finito, o volume por molécula (V/n) deve ser diminuido do volume da própria molécula. Esta é a razão para o segundo termo, b, no segundo parênteses.

Trabalho em sistemas térmicos, diagramas  p-V

O trabalho realizado por um gás ideal ao ir de um estado  A para um estado B é

onde é necessário saber exatamente como a pressão muda em função do volume para calcular a integral. A fórmula possui uma origem simples. Se considerarmos um gás empurrando um pistão com pressão p, a força sobre o pistão é o produto da pressão do gás e a área do pistão. 
Se o gás desloca o pistão de Dx, o trabalho realizado é o produto da força sobre o pistão e a distância que o pistão se moveu, W = pADx = pDV, onde DV é a variação de volume do gás (o pistão foi empurrado para trás, permitindo que as moléculas de gás ocupem mais espaço). 
Note que se o volume do gás aumenta ele faz um trabalho positivo no ambiente externo. Se o gás for comprimido, ele faz um trabalho negativo (em outras palavras, você tem que realizar trabalho para comprimir um gás. Isto é a razão da dificuldade em se encher um balão, ou um pneu de bicicleta).
Uma boa maneira de visualizar o processo de fazer a integral acima é esboçar um gráfico da pressão em função do volume e traçar o caminho do estado A (um ponto no diagrama p-V) ao estado B (um outro ponto). 
A área embaixo da curva é o trabalho realizado pelo gás. Também é possível voltar ao estado A.  Esta é chamada de transformação cíclica, já que ela o leva de volta ao estado de origem. Se você  voltar ao longo do mesmo caminho, o trabalho feito pelo gás é nulo, já que a área positiva no primeiro caminho cancela a área negativa do segundo caminho.
No entanto, é possível tomar uma rota totalmente diferente ao ir de B voltando para A, como mostra a figura abaixo. Se o caminho seguir o sentido dos ponteiros de um relógio, o trabalho feito pelo gás no ambiente externo é justamente a área dentro do caminho. Se a rota segue o sentido contrário aos ponteiros do relógio, o gás faz um trabalho negativo no ambiente externo.
 

Suponha que queiramos expandir um gás mantendo a pressão constante. Como se faz isso? Pela lei dos gases ideais, a temperatura do gás deve aumentar. Logo, você poderia aumentar lentamente o volume do recipiente em que o gás é mantido, enquanto que simultaneamente o gás é aquecido o suficiente para manter a pressão constante. 
A densidade do gás diminui, mas as moléculas se movem mais rápido agora que a temperatura é maior, de modo que a pressão permanece constante.  A variação de temperatura necessária pode ser calculada da equação dos gases perfeitos. Também é possível variar a pressão de um gás enquanto o mantemos com volume constante.  
O gás não realiza trabalho no ambiente externo neste caso, mas você necessita por energia no gás (ou retirá-la) por aquecimento (ou esfriamento) a fim de mudar a pressão de acordo com a equação dos gases perfeitos. 
O gás não realiza trabalho sobre o ambiente, mas existe um fluxo de calor não nulo para o gás. O fluxo de calor para o gás é positivo se a pressão do gás aumenta a volume constante, e negativo se a pressão diminuir. O fluxo de calor é dQ = cVdT.
Em outros sistemas também podemos transformar calor em trabalho. Um exemplo simples é um elástico suportando um peso. Se aquecermos o elástico com uma vela ele encolherá. 
Desprezando a parte da energia utilizada para o rearranjo das suas moléculas, o calor é transformado em energia potencial do peso quando o elástico encolhe.
 

Primeira lei da termodinâmica
Podemos quantificar as afirmações acima sobre transferência de calor e trabalho realizado em sistemas térmicos, combinando-os em uma expressão, a primeira lei da termodinâmica. Ela nos diz que a energia interna do sistema (por exemplo, um gás ideal) é relacionada ao trabalho realizado sobre o ambiente e ao calor transferido ao sistema

    UA - UB =  - WA-->B + QA-->B

onde WA-->B é  o trabalho realizado pelo gás sobre o ambiente ao irmos do estado A para o estado B, e QA-->B é o fluxo de calor para o sistema neste processo. Note que:

  • Se o gás realizar trabalho sobre o ambiente, ele perde energia. Isto faz sentido, já que a energia necessária para realizar o trabalho sobre o ambiente se origina do próprio gás.

  • Se adicionarmos uma quantidade DQ de calor ao gás, sua energia interna aumenta deste mesmo valor.

A primeira lei da termodinâmica pode ser escrita numa forma diferencial (para transformações infinitesimais):

    dU = - dW + dQ 

A energia interna de um gás é uma função somente de sua temperatura (quando estudarmos a teoria cinética dos gases, veremos que  que DU =3nRDT/2). A temperatura, e portanto a energia interna, de um gás em expansão livre não muda. 
Existem duas maneiras de se entender isso. Uma de acordo com a equação dos gases perfeitos e outra numa forma intuitiva. Na primeira maneira, observamos que se um gás expande sem que trabalho seja realizado sobre ele, sua pressão decresce.
A pressão decrescente, multiplicada pelo volume crescente, resulta em um produto (proporcional à temperatura) que é constante.  Na segunda maneira, observamos que movendo as paredes do recipiente que contém o gás não possui efeito sobre as velocidades individuais sobre as moléculas do gás. 
Elas terão que viajar mais longe na média antes de bater em outra parede (de modo que a pressão decresce), mas se você adicionar as energias cinéticas individuais de todas as moléculas do gás, você deveria obter o mesmo número inicial. Como nenhuma energia é transferida para o gás numa expansão livre, a  temperatura permanece constante.

Energia interna e fluxo de calor
Para um volume constante, o fluxo de calor de um gás indo do estado  A para o estado B é

Para uma pressão constante,o fluxo de calor é

Os coeficientes cV e cP são os calores específicos de uma substância com massa m, a pressão e volume constante, respectivamente.

Isotermas e transformações adiabáticas

Dois tipos importantes de transformações serão discutidas nessa seção. Uma é em que a temperatura é mantida constante. A outra em que nenhum calor é transferido para o gás.

Transformação isotérmica

Uma transformação isotérmica de um gás ideal ocorre mantendo a temperatura constante e variando a pressão. A pressão em função do volume e temperatura é dada pela equação do gás ideal, de modo que o trabalho realizado em ir do estado  A para o estado  B é facilmente calculado:

Note que ela é positiva somente se o gás expande (o volume final é maior do que o inicial). É necessário trabalho para comprimir um gás (o mesmo que dizer que o gás realiza um trabalho negativo sobre o ambiente).

Transformação adiabática

Uma transformação adiabática ocorre sem transferência de calor para o sistema. Pela primeira lei da termodinâmica, é possível variar a energia interna do gás ideal sem transferência de calor (simplesmente realizando trabalho sobre o gás). Vamos derivar a dependência temporal da pressão em termos de volume em uma transformação adiabática de um gás ideal, usando a primeira lei da termodinâmica e a equação dos gases ideais.

A primeira lei para  dQ = 0 é
                  
       dU = - dW 

Logo,            
        
               cV dT = - p dV 

Note que na passagem acima usamos que dU =   cV dT  que é a mesma relação que usamos anteriormente para dQ quando o volume do gás não variava. 
Isto acontece porque, como veremos na teoria cinética dos gases, a variação da energia interna de um gás só depende da variação de temperatura do mesmo. Ou seja, não importa de o volume ou a pressão variam, se o gás realiza ou não trabalho, a variação da energia interna do gás será sempre dada por essa relação.
A equação dos gases ideais pode ser utilizada para expressar dT em termos de dp e dV:

            pV = nRT
pdV + Vdp = nRdT
dT = (pdV + Vdp)/nR    

Usando novamente a equação dos gases ideais, podemos escreve-la na forma:

cVdT = cV (pdV + Vdp)/nR = - pdV  

Rearrumando a equação podemos obter tudo relacionado com a pressão em um dos lados, e tudo relacionado com o volume no outro:

- cV (p/nR)dV - pdV = cV(V/nR)dp
- p (cV + nR) dV = cVVdp
dp/p = - (cV+nR)/cV  . (dV/V) 

A quantidade cV + nR é igual a cP (como veremos mais tarde), e a razão cP/cV é chamada de razão de calor específico g. Para gases monoatômicos ideais, g = 5/3. Agora podemos integrar ambos os lados da equação acima, obtendo:

    ln p = -g ln V + C 

onde C é uma constante de integração. Exponenciando ambos os lados, obtemos uma equação para a pressão em função do volume

    p = C V-g           
    p Vg = C            ou  seja         pi Vig= pf Vf  

Para uma transformação isotérmica, dizemos que a pressão era inversamente proporcional ao volume durante a transformação. Logo, a pressão traça uma hipérbole quando é apresentada na figura abaixo em função do volume. Em uma transformação adiabática, a pressão cai mais rápido à medida que o volume aumenta.

Devido a isso, a energia interna de um gás diminui mais rápido também. Em uma transformação isotérmica, a energia interna do gás permanece constante. Se começarmos a uma pressão pA e volume VA, a pressão final é

    pB = pA (VA/VB

para uma transformação isotérmica, enquanto ela é

    pB/pA = C (VA/VB)g 

para uma transformação adiabática. A energia interna permanece constante em uma transformação isotérmica já que o trabalho realizado pelo gás sobre o ambiente é exatamente cancelado pelo calor adicionado ao gás. 
Em uma transformação adiabática, nenhum calor é adicionado ao gás; logo, o trabalho realizado pelo gás sobre o ambiente é igual a energia interna do gás.
Usando a equação dos gases ideais também podemos re-escrever como

  Ti Vig-1= Tf Vf g-1 

 

<<< Voltar

 

 
 Página Principal

Fale Conosco | Anuncie Aqui | Cadastro | Notícias | Home



 

VestibularWeb - O Site de dicas, notícias e novidades de vestibular pra vc! Desde 07/2000

Topo

.