MENU

 Revisão >> Revisão das principais matérias do Vestibular
Revisão de Literatura
 
Modernismo

 


Modernismo

Características   

-Segunda Revolução Industrial (eletricidade; siderurgia)

O Modernismo

Movimento renovador nas artes e letras brasileiras, o modernismo teve como marco inicial a Semana da arte moderna (1922). 

Seus objetivos primordiais eram: romper com as tradições acadêmicas atualizar as artes e a literatura brasileira em relação aos movimentos de vanguarda europeus e encontrar uma linguagem autenticamente nacional. 

Os antecedentes do modernismo estão presentes na área literária de Graça Aranha (Canaã), Euclides da Cunha (Os sertões), Lima Barreto (Triste fim de Policarpo Quaresma) e Manoel bandeira (Cinza das Horas); na pintura de Lasar Segall e Anita Malfatti; na escultura de Vítor Brecheret; na crítica de Andrade Murici e João Ribeiro , entre outros.

No Brasil o modernismo é aplicado ao período literário que se entendeu de 1922 a 1945. 
Os sinais precursores do modernismo datam de 1917, ano em que foi realizado em São Paulo a exposição de Anita Malfatti. 

A pintura de influência expressionista provocou um polêmico artigo escrito por Monteiro Lobato intitulado "Mistificação ou Paranóia?".

A arte no Modernismo
Em artes plásticas o modernismo não foi uma ruptura brusca provocada pela Semana da Arte Moderna de 1922. 

Pelo contrário esta manifestação se inseriu em um longo processo de descontentamento com o passado, cuja as raízes se encontravam, inclusive, dentro da própria Academia. 

Pintores como Antônio Parreiras, Benedito Calixto e Almeida Júnior receberam um aprendizado acadêmico e foram capazes de exercê-los na prática, mas procuraram uma maior liberdade técnica e expressiva, sobretudo quando se dedicaram a paisagem, a costumes e tipos populares.

Pré-Modernismo (lit.)
A semana de 1922 resultou de lento processo de preparação proveniente da ânsia de renovação formal e da motivação nacionalista que influenciou os artistas conscientes da revolução estética em curso nos países europeus. 

Oswald de Andrade, Manoel Bandeira, Ronald de Carvalho e Graça Aranha – Todos futuros participantes da explosiva apresentação da semana – conheceram, na Europa, os movimentos vanguardistas e voltaram convencidos da necessidade de promover também no Brasil uma revolução estética.
A música no modernismo

Também na música, a semana da arte moderna de 1922 é considerada o marco inicial do modernismo; entretanto, antes dela já havia manifestações musicais de Vanguarda (Villa-Lobos). 

A semana revelou e intensificou o conflito entre o antigo e o novo, apresentou a música atonal e bitonal, sem desenvolvimento clássico, primitiva em seus ritmos obstinados, obrigando a revisão dos conceitos tradicionais.

A religião no modernismo
Nascida do violento conflito entre o ensinamento rígido e tradicional da igreja e a ciência moderna com seus métodos positivos, a crise modernista desenvolveu-se durante o pontificado de Pio X (1903-1914), em 4 (quatro) países na Itália, Grã-Bretanha, Alemanha e sobretudo na França, onde a ciência religiosa estava muito atrasada. 

Na Itália, com Antônio Fogazzaro e Romulo Murri, trata-se sobretudo de um movimento de libertação intelectual da tutela eclesiástica. 
Na Grã-Bretanha, Geórgia Tyrrell pretendeu subordinar a revelação divina as emoções piedosas dos Cristãos. 

Na Alemanha, um reformismo bem pouco heterodoxo espalhou-se nas universidades Católicas.

Modernismo Hispânico
Movimento renovador da literatura espanhola hispano-americana que surgiu, como ao romantismo, no fim do séc. XIX (1880-1890), liderado pelo poeta nicaragüense Rubén Darío. 

Influenciado pelo simbolismo e Parnasianismo franceses, caracteriza-se basicamente pelos esteticismo. 

Foram precursores importantes do movimento o colombiano José Asunción silva e o cubano José Martí. 
Além de Darío, destacaram-se: Amado Nervo; o cubano Julián del Casal; os argentinos Enrique Larreta e Leopoldo Lugones; o peruano Santos Chocano ; o boliviano Ricardo Jaimes Freyre; os uruguaios Herrera y Reizig e Enrique José Rodó. Na Espanha, a influência de Darío exerceu-se em poetas como Manoel Machado, Francisco Villaespesa e Emílio Carrère.

O modernismo Português
Movimento literário e plástico que surgiu por volta de 1915 e que tinha nos poetas Mário de Sá-Carneiros, Fernando Pessoa e no poeta pintos Amada Negreiros seus principais expoentes. 

Articulado em torno da revista Orfeu, investia contra academismo, parnasianismo e o Saudosismo. 
Na Segunda geração modernista, destacaram-se João Gaspar Simões, José Régio e Adolfo Casais Monteiro

 

 

<<< Voltar

 

 
 Página Principal

Fale Conosco | Anuncie Aqui | Cadastro | Notícias | Home



 

VestibularWeb - O Site de dicas, notícias e novidades de vestibular pra vc! Desde 07/2000

Topo

.