MENU

 Revisão >> Revisão das principais matérias do Vestibular
Revisão de Português
 
Semântica

 

Semântica

Em sentido largo, pode-se entender semântica como um ramo dos estudos lingüísticos que se ocupa dos significados produzidos pelas diversas formas de uma língua. 

Dentro dessa definição ampla, pertence ao domínio da semântica tanto a preocupação com determinar o significado dos elementos constituintes das palavras (prefixo, radical, sufixo) como o das palavras no seu todo e ainda o de frases inteiras.

Diz-se, por exemplo, que o verbo haver é sinônimo de existir numa frase como “Há flores sem perfume.” Isso quer dizer que seus significados se equivalem. 

Pode-se também dizer que uma frase passiva como “A praça foi ocupada pelos peregrinos.” é semanticamente equivalente à sua correspondente na voz ativa “Peregrinos ocuparam a praça.”
Dentre os conceitos de semântica indispensáveis para qualquer vestibular, relacionam-se os seguintes:

Sinônimos: formas lingüísticas que apresentam o mesmo significado (coragem/destemor; rápido/ligeiro/lépido).

Antônimos: formas lingüísticas de significado oposto (progredir x regredir; bom x mau).

Polissemia: propriedade que a mesma palavra tem de assumir significados diferentes.
Luísa bate a porta. (fechar)
Antônio bate o carro no poste. (trombar)
O sino bate três vezes. (soar)
O coração bate rápido. (pulsar)

Obs.: o significado específico assumido pela palavra dentro do contexto lingüístico em que ela aparece é denominado significação contextual.

Ambigüidade: possibilidade de interpretar de maneiras diferentes a mesma palavra ou frase.

Ministro falará da crise no Canal 17.
Nessa frase, usada em questão do vestibular da FGV/SP, não é possível saber se a expressão “no Canal 17” se refere a “falará” (“falará no Canal 17”, sobre uma crise que a frase não especifica) ou a “crise” (“crise no Canal 17”, sobre a qual o ministro falará num lugar não mencionado pela frase).Para resolver a ambigüidade, optando pela primeira interpretação, basta mudar a ordem dos termos na frase:
No Canal 17, ministro falará da crise.
Optando pela segunda interpretação, a melhor solução é deixar clara a relação entre os termos, lançando mão de outro recurso diferente da mudança de posição das palavras, como, por exemplo:
Ministro falará da crise que atinge o Canal 17.

Denotação: conceito ou significado que uma palavra evoca. Os dicionários trazem dominantemente o significado denotativo das palavras (descrevem conceitos associados a elas).

Conotação: conjunto de valores, impressões ou reações psíquicas que se superpõem a uma palavra. Palavras com praticamente a mesma denotação possuem conotações nitidamente diversas. 
É o caso de amante, amásia, companheira, amigada, concubina. As impressões que cada um desses termos provoca são francamente diferentes, embora a denotação (o conceito a que o termo se refere) não varie. 
É nesse sentido que se diz que não existem sinônimos perfeitos, pois se o são no nível da denotação, raramente ocorre o mesmo no nível da conotação.

Sentido literal: significado usual de uma palavra; sentido próprio. Ex.: Abelhas produzem mel.

Sentido figurado: significado não usual de uma palavra, decorrente de associações com outros significados. 
Ex.: “Iracema, a virgem dos lábios de mel.”

Nos vestibulares, são várias as questões que envolvem conceitos relativos à semântica, como as seguintes.

Uma questão de semântica de estilo tradicional:
(U. F. UBERLÂNDIA) — Em “Volta-se de um amor, escreve um humorista,...” a palavra destacada possui o sufixo “ista”, que significa
a) ação ou resultado dela.
b) estado.
c) ocupação, ofício.
d) modo de proceder.
e) doutrina ou sistema.
(R.: C)

Uma questão de semântica típica de um vestibular inovador:
(UNICAMP-90) — A notícia e o comentário a seguir deixam claro que nem sempre podemos nos limitar à interpretação literal (isto é, “ao pé da letra”) das palavras:
Demora
O Ministério da Saúde calcula que em janeiro já poderá deflagrar o programa emergencial de saúde para os ianomanis, em Rondônia. 
Até lá os mosquitos transmissores da malária estão proibidos de picar os índios. (Folha de S. Paulo, “Painel”)
a) Identifique e transcreva a passagem que, no texto, não deve ser interpretada literalmente.
R.: “Até lá os mosquitos transmissores da malária estão proibidos de picar os índios.”

b) Explique por que a inclusão dessa passagem deixa clara a posição crítica e irônica do jornal com relação aos prazos propostos pelo Ministério da Saúde para começar a resolver o problema da malária entre os índios.
R.: A ironia consiste na significação absurda de decretar uma proibição aos mosquitos: picar os índios até janeiro. 
O jornal toma essa posição crítica e irônica porque, se o programa de saúde para os ianomanis era emergencial, ele deveria ser aplicado imediatamente, já que não é possível controlar por meio de decreto o ataque de mosquitos.

 

<<< Voltar

 

 
 Página Principal

Fale Conosco | Anuncie Aqui | Cadastro | Notícias | Home



 

VestibularWeb - O Site de dicas, notícias e novidades de vestibular pra vc! Desde 07/2000

Topo

.